O cardeal-candidato, o monge franciscano Padre Raniero Cantalamessa, a quem o Papa Francisco se juntará ao Colégio de Cardeais em 28 de novembro, renunciou à sua consagração episcopal sob a lei canônica.
Em 17 de novembro, o cardeal-secretário nominata anunciou que o Papa Francisco havia concedido dispensa a um clérigo de 86 anos. Vindo do centro da Itália. Cantalamessa é membro da Ordem Capuchinho. Atualmente, há dois jesuítas no Colégio de Cardeais: o cardeal Albert Vanhoye, de 99 anos, da França, e o cardeal albanês Ernest Simoni, de 92 anos, que renunciou à consagração episcopal.
A dignidade cardeal, que não está ligada à consagração episcopal, é considerada uma expressão de agradecimento. Cantalamessie por seus muitos anos de atividade como pregador da Pontifícia Casa. Nesta função, o monge sempre conduz reflexões espirituais para a Cúria Romana no Advento e Quaresma, e na Sexta-feira Santa pregou na Basílica de São Pedro.
No dia 21 de novembro, outro cardeal-candidato, o Guardião Geral da Santa Convenção em Assis, padre Mauro Gambetti, de 55 anos, assumirá a consagração episcopal. Seu mandato termina em fevereiro de 2021.
O terceiro candidato ao chapéu do cardeal, que ainda não havia sido ordenado bispo, o diretor de longa data da Cáritas Romana Padre Enrico Feroci, recebeu a consagração em 15 de novembro em Roma. A cerimônia aconteceu na paróquia nossa Senhora do Amor Divino, no bairro Castel di Leva. Conhecido por seus muitos anos de compromisso social, Padre. Feroci foi o pastor desta paróquia e permanecerá lá, mas com a dignidade do arcebispo.