O "Rito da Irmandade" tradicionalmente celebrado entre Franciscanos e Beneditinos aconteceu neste domingo (18) na Igrejinha da Porciúncula. Os frades que lá residem receberam os monges da Abadia de São Pedro da região de Perugia, juntamente com alguns poucos jovens.

O rito se trata de uma afetiva troca de "presentes" entre as duas ordens. Os frades presenteiam os monges com um cesto de peixes e os beneditinos presenteiam os franciscanos com azeite. 

Os frades da Porciúncula postaram em suas redes sociais a seguinte legenda, acompanhada de um pequeno vídeo do momento.

O ′′ Rito da irmandade ", como foi definido, repete-se todos os anos e tem uma origem antiga.

De acordo com historiadores, logo após receber a aprovação oral da protógola pelo Papa Inocêncio III, Francesco, considerando o aumento contínuo dos frades na Ordem, colocou-se em busca de uma residência que tivesse um reconhecimento eclesial: igrejas, então, de poder estar junto com seus primeiros frades em Santa Maria dos Anjos em Porziúncula.

Como um sinal de gratidão pelo presente, pelos Beneditinos, da igrejinha pobre, todos os anos Francesco trazia um cesto de peixinhos e recebia em troca de óleo.


Sobre o Rito da Irmandade (ou Fraternidade)

Poucas pessoas sabem, mas o santo da paz e da alegria, assim como os seus filhos espirituais, têm uma forte ligação com os monges beneditinos.

No início do seu projeto espiritual, em 1210, Francisco buscou um lugar apropriado para reunir seus frades. Pediu então, ao bispo de Assis, assim como aos Cônegos de São Rufino, alguma igreja, mesmo que esta fosse pequena, onde os frades pudessem ser acolhidos e pudessem rezar. Recebeu, no entanto, uma resposta negativa. Mas ele não desistiu. Foi ao encontro do abade beneditino, Dom Teobaldo e expôs seu problema. O abade comovido com o pedido, diante de tão grande obra, conversou com a comunidade monástica e com a aprovação desta, concedeu a Francisco e aos seus frades a Porciúncula, uma igrejinha de propriedade dos monges. Esta doação foi concedida com uma única condição: a de que o projeto empreendido por Francisco, caso crescesse e durasse, o local deveria ser considerado como a casa-mãe dos franciscanos.  E assim se fez. Como bem se sabe, até a atualidade a igrejinha da Porciúncula é o símbolo da Ordem dos Frades Menores.

Há também outro laço que une beneditinos e franciscanos: foi às beneditinas da Abadia de São Paulo a quem Francisco recorreu para abrigarem Santa Clara, assim como a sua irmã Inês. Foi este um momento de adaptação monástica onde as primeiras monjas clarissas puderam aprender a viver com maior intensidade a mensagem do Cristo. Quando já estavam alicerçadas neste estilo de vida, é que as clarissas se mudaram para o Convento de São Damião, ganhando vida própria.

No Brasil, como sinal desta amizade antiga entre beneditinos e franciscanos, no dia de São Bento (11 de julho) os frades franciscanos presenteiam os monges beneditinos com um peixe ou um cesto de peixes, enquanto que os monges doam aos franciscanos,  no dia de São Francisco, um litro de azeite. Este costume é bastante antigo, e reporta ao próprio São Francisco que doava todos os anos um cesto de peixes aos monges em agradecimento pela Porciúncula.