Os seis provinciais dos Estados Unidos da ordem franciscana disseram ao presidente Joe Biden em uma carta conjunta em 19 de maio que “agora é a hora de ousadia para acabar com a violência imediata” na Terra Santa.

“Devemos usar a força moral dos Estados Unidos para apoiar uma solução não violenta e sustentável na região”, disseram eles. “Os EUA são um ator fundamental para encontrar essa solução baseada na justiça, no respeito pelos direitos humanos básicos e no direito internacional.”

“A escalada contínua de violência e abusos dos direitos humanos, agora em sua segunda semana, deve chegar ao fim”, disseram eles. “Seu governo tem afirmado sistematicamente que centralizará os direitos humanos e o Estado de Direito em suas decisões de política externa. Nós imploramos que você traduza ainda mais esses sentimentos em ação ”.

Os provinciais juntaram-se ao Papa Francisco, bispos dos EUA e outros, conclamando israelenses e palestinos a acabar com a violência em Jerusalém e Gaza que ceifou dezenas de vidas e deixou centenas de feridos.

Uma cópia da carta foi enviada ao Catholic News Service.

Os assinantes foram: Fr. David Gaa, Província de Santa Bárbara, Oakland, CalifórniaFr. James Gannon, Província da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria, Franklin, WisconsinFr. Kevin Mullen, Província do Santo Nome, Nova YorkFr. Thomas Nairn, Província do Sagrado Coração, St. LouisFr. Mark Soehner, Província de São João Batista, Cincinnatie Fr. Ronald Walters, Província de Nossa Senhora de Guadalupe, Albuquerque, Novo México.

“Nós os saudamos com orações de paz e boa vontade, mas também com o coração pesado pelo povo da Palestina e de Israel, que continua a sofrer sob o peso da violência”, escreveram.

“A Terra Santa ocupa um lugar especial em nossa tradição de fé e em nossos corações, pois confiamos que ela o faça com você como companheiro católico. O ponto central de nossa missão como franciscanos é sermos pacificadores ”, disseram eles. “Como franciscanos, estamos presentes e servindo as pessoas na Terra Santa há mais de 800 anos. Por meio de nossos irmãos estacionados lá, testemunhamos a injustiça, o sofrimento e as violações dos direitos humanos básicos de muitas pessoas em toda a Palestina e Israel enquanto ministramos a eles ”.

Os provinciais observaram que seu irmão franciscano, o arcebispo Pierbattista Pizzaballa, como patriarca latino de Jerusalém, “também cuida de todas as pessoas da Terra Santa”.

“Ele apelou enfaticamente à paz e estamos orgulhosos de estar com ele em nosso apelo a você e sua administração por uma ação pacificadora”, disseram eles. “Embora tenhamos apreciado os esforços iniciais de seu governo para acabar com a violência, mais ações são necessárias.”

Com esperança de paz na Terra Santa, eles imploraram a Biden para:

- “Afirmar inequivocamente que a continuação da violência não pode persistir ou ser tolerada por nenhum dos atores. Por favor, traga todo o poder não violento dos EUA para acabar com a violência.

- “Enfrente diretamente o impacto contínuo da ocupação israelense dos Territórios Palestinos, declarando publicamente que os EUA se opõem a todas as atividades de assentamento, incluindo a ocupada Jerusalém Oriental. Além disso, deve haver um apelo claro dos EUA ao respeito pela liberdade religiosa das pessoas de adorarem em seus locais sagrados.

- “Intervir diretamente com o governo israelense para garantir o cancelamento imediato de todas as ordens de despejo pendentes em Jerusalém Oriental, incluindo a expulsão de famílias palestinas em Sheikh Jarrah. A resposta das forças de segurança israelenses ao protesto não violento contra essas expulsões parece ter sido uma das muitas faíscas que levaram à terrível violência atual. ”

O bairro de Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental é onde os colonos judeus têm invocado uma lei que lhes permite recuperar casas perdidas durante a guerra árabe-israelense de 1948 se eles tiverem títulos de terra antigos. Os colonos ameaçaram despejar os palestinos do xeque Jarrah, que não têm direito de reclamar as casas de onde fugiram.

Os provinciais franciscanos também pediram a Biden que apoiasse uma medida introduzida pela deputada americana Betty McCollum, de Minnesota. O projeto de lei, HR 2590, de McCollum, membro do Partido Democrático-Fazendeiro-Trabalhista, pede maior transparência na revisão de como Israel usa a assistência de segurança dos EUA.

“Esta legislação garantirá que os fundos dos EUA não sejam usados ​​para abusar de crianças palestinas, anexar terras palestinas ou demolir casas palestinas”, escreveram os franciscanos. “Se salvaguardas como essas não estiverem em vigor, nós nos Estados Unidos podemos ser diretamente responsáveis ​​pela morte e ferimentos do povo da Palestina.”

Eles disseram estar cientes de que estão pedindo a Biden "para tomar ações mais diretas para confrontar as políticas governamentais israelenses do que as administrações anteriores."

“No entanto, o enorme desequilíbrio de poder e a raiz da violência em Gaza, Jerusalém e outros lugares na Terra Santa cresceram a ponto de exigir esse novo nível de ação urgente”, disseram eles.

“Estejam certos de nossas orações contínuas por você e sua administração, ao buscar a sabedoria para navegar nestes tempos difíceis”, disseram os padres. “Que você permaneça focado em uma paz e esperança que brote da justiça.”

Fonte: Crux Now